COLUNISTAS
 

JOSÉ MACIEL - BAHIA PODERÁ TER INVESTIMENTO DE R$ 160 MILHÕES
LUCAS LEAL - A SEMANA NA BOLSA DE VALORES - SEMANA HISTÓRICA
ADARY OLIVEIRA - O MUNDO DO FAZ DE CONTA


BUSCA
 



ENTREVISTAS
 


JAQUES WAGNER- SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO


SEU INVESTIMENTO
 


JUROS É PRINCIPAL BARREIRA PARA 38% DOS EMPRESÁRIOS QUE NÃO BUSCAM CRÉDITO




FRASE DO DIA
 


"Nem me esperou chegar de Brasília, Correria? Vai ter que andar comigo no metrô, do Iguatemi ao CAB. Estamos juntos. Nada resiste ao trabalho"

Otto Alencar
Senador comentou a postagem do Facebook do governador Rui Costa indo trabalhar de metrô







ARTIGO
 
ADARY OLIVEIRA - COPIANDO A NATUREZA



O químico francês Antoine Laurent de Lavoisier foi considerado em 1743 o pai da química moderna, ficando famoso ao anunciar o Princípio da Conservação da Massa também conhecido como Princípio de Lavoisier: “Em uma reação química feita em recipiente fechado, a soma das massas dos reagentes é igual à soma das massas dos produtos”. Em outras palavras, costuma-se dizer que “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Claro que o bom humor do brasileiro, introduzindo uma rima, habitua também citar “Na natureza nada se cria, tudo se copia”.

Foi assim que em 1948 o engenheiro suíço George de Mestral, andando pelos sertões do Ceará, ficou irritado ao notar que sua calça estava cheia de carrapichos nela agarrados. Passada a irritação, decidiu descobrir de que modo aquelas sementes nativas da região nordestina conseguiam agarrar-se ao tecido de algodão sem uso de adesivos.

A observação feita por George através de um microscópio o levou a descobrir que o carrapicho tinha patas que terminavam por pequenos ganchos, que se prendiam a qualquer coisa com pelos. Foi aí que ele resolveu copiar a natureza inventando um fecho com ganchinhos e lacinhos de propriedades agarrativas semelhantes às do carrapicho. Deu-lhe o nome de “velcro” combinando duas palavras francesas: “velours” (veludo) e “crochet” (gancho).

Os tecidos de fibras naturais mais usados tinham pelo menos duas origens: animal (seda e lã) e vegetal (algodão). Antes que a população do planeta atingisse os 7 bilhões atuais de habitantes, para resolverem o problema de escala de produção dos tecidos os inventores caíram em campo para copiar a natureza tendo sintetizado vários materiais. Os mais conhecidos são o náilon, para substituir a seda, o acrílico, para substituir a lã, e o poliéster para substituir o algodão.

A primeira fibra têxtil sintética produzida industrialmente foi o náilon (nylon), nome genérico da família das poliamidas, anotada pelo químico americano Wallace Hume Carothers em 1935, dando esse nome para homenagear sua cidade, New York, e a de sua mulher, London. O náilon é imbatível na fabricação de meias, roupas intimas femininas, maiôs, biquínis e roupas desportivas.

As fibras acrílicas são fibras sintéticas obtidas a partir da polimerização em cadeia da acrilonitrila, pertencendo, portanto, à família das poliacrilonitrilas. Esta substância foi sintetizada pela primeira vez em 1894 pelo cientista alemão Mouren e a produção industrial só foi iniciada em 1943 pela Dupont. O clima tropical do Brasil não aconselha o uso dessa fibra, que se assemelha à lã, na fabricação do vestuário. Muitas vezes, para atrair o mercado, são usadas cores exóticas como o azul pavão, o rosa choque e o verde cheguei.

O poliéster é uma família de polímeros que contém o grupo funcional éster. A fibra de poliéster foi produzida industrialmente pela primeira vez na Inglaterra nos anos trinta, sendo chamada Terylene. Surgiu depois na França com o nome Tergal, na Espanha Terlenka e na Alemanha Trevira, de produção liderada pela Hoechst.

Inovação é uma palavra da moda que significa criar algo novo, uma invenção que chega ao mercado. A incorporação de uma inovação está relacionada com a exploração econômica de um método ou objeto que pouco se parece com os padrões anteriores. Nos tempos em que se fala muito em tecnologias de inovação, como importante para o desenvolvimento e fortalecimento da economia, a natureza continua sendo uma fonte inesgotável para novas ideias e descobertas, sempre sugerindo coisas novas para serem copiadas, bastando apurar as investigações.

Adary Oliveira
 adary347@gmail.com

 

Rua Dr. José Peroba, 297, edf. Atlanta Empresarial, sala 1503 - Stiep - Salvador CEP: 41.770 - 235 - Tel: 3037 - 2960